quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Como sei a quem Seguir?

Era uma vez, quando o costume era os discípulos se mudarem para a casa do Mestre para serem instruídos na prática do zen, um mestre que se aproximava de um discípulo, era com a intenção de instruí-lo para ser mestre zen.
O estudante sabia que, se o mestre concordasse em ensiná-lo, ele poderia ficar aos cuidados daquele professor durante um ano, não simplesmente aprendendo como ele orava, mas como ele servia o chá, varria o chão e lavava sua tigela de mendicante. Era um modo de vida que ele buscava, não simplesmente uma introdução às escrituras.

Mas, nesse caso, o Mestre não conseguiu nem mesmo entender o olhar do estudante. Ele passava dentro e fora da casa e não dava atenção ao jovem. Nenhum som. Nenhum gesto. Nenhuma discussão, sobre o processo. Nenhuma palavra encorajadora.
Assim, o jovem decidiu convencer o mestre da sua sinceridade, ocupando um lugar fora da propriedade para meditar. E ele se sentou lá. Por dias. Por semanas. Por meses. E o mestre ainda o ignorava.
Veio o inverno e a neve caiu. Sim, agora o Mestre veria a sinceridade dele, o levaria para casa e o aceitaria como discípulo. Mas o mestre veio e foi, totalmente alheio ou insensível, desinteressado pela presença desse jovem em meditação.
O que poderia comover o mestre e provar-lhe a seriedade do estudante, a sede da sua alma.
Então, o estudante insinuou algo que poderia provar a vontade de se doar por inteiro à vida espiritual, um dia, ele amputou o braço, se curvou e o apresentou ao mestre.
Então, o mestre percebeu a sinceridade do jovem. Admitiu o estudante como pupilo em sua casa.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe sua espiritualidade aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...