sábado, 22 de julho de 2017

Tempo de Esperas (I)



Não é fácil  bater à porta de alguém  que tanto  preza o direito de ser só.

Ponderei que minha presença poderia causar-lhe desconforto.

Careço de encontrar alguém a quem eu  possa retirar as máscaras...

Desvendar outros obscuros que trago em mim.

Estou precisando confessar meus  medos.

A dor pagã ganha batismo.

Estou nas palavras, nas  estrelinhas...

Tenho necessidade de conhecer melhor quem eu sou.

Mergulho nos livros porque neles eu sei que está a chave do mundo novo que tanto anseio conquistar.

Tenho consciência de que ir embora é um processo que se dá aos poucos...

Minha realização depende dessa partida.

Descobri isso muito cedo.

Iniciei minha aventura humana num lugar totalmente inadequado pra mim.

A vida que é vivida em minha casa não me realiza.

Eu não me identifico com minha família.

Por isso, eu já nasci partindo.

É uma questão de sobrevivência...

Eu preciso encontrar o meu lugar no  mundo, pois este que me foi oferecido, definitivamente, não é o meu.

Peço que releve o meu amargor.

Estou sofrida demais.

É natural que minha fala nasça agressiva, indignada (passado)..

Não sou de me abrir com facilidade.

Minha alma sofre com desarmonias...

Estava sofrendo muito, fruto de desilusão amorosa (no passado)

Parece-me piegas descrever minhas angústias.

É  como se a fala sobre meus afetos desordenados representasse um retrocesso em minha vida intelectual.

O amor me parece tão pouco inteligente. (No presente, meu coração sabe bem o que quer)

Estou realmente necessitada de uma ajuda.

O meu sofrimento me tem trazido muita solidão (passado).

Não falo de solidão do corpo, mas do pensamento.

Eu não tenho ninguém com quem desabafar o tormento pelo qual estou passando.

P.S. (Este livro que tocou meu coração por explicar algumas coisas do passado já adormecido porque resolvido)

#leituradavez


(Pe. Fábio de Melo- Tempo de Esperas)...

Hoje ganhei flores da querida amiga Maria Glória de SP... quanto carinho fraternal ela me devota! Obrigada, meu Deus por encher meu coração de tanto amor nos últimos tempos...






5 comentários:

  1. A avaliar por este texto será um livro muito interessante.
    Parabéns pelo presente.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Ler Pe. Fábio de Melo é acarinhar o coração.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito do Padre Fábio de Melo ,ele tem sem duvida nenhuma o dom da palavra que nos toca profundamente ,muitos beijinhos felicidades

    ResponderExcluir
  4. Amoreca da minha vida!
    Eu abro meu email e quem ganha um afeto? Eu! Muito obrigado pela tua amizade e amorosidade. Tu és uma fonte de amor sem fim, sem a menor dúvida!
    Flores estão em plena harmonia com o teu coração, tão generoso e caloroso.
    Li as linhas deste livro, e creio que para muitas pessoas, identidades acontecerão. Eu gostei, me prendeu!
    Deixo um beijinho e um abracinho, todos bem quentinhos para este friozinho, ui! Mas por aqui, onde moro, está muito frio, friozão!
    Mas uma vez, muito obrigado, minha doce amiga.

    ResponderExcluir
  5. Engraçado como alguns livros parecem que estamos dentro deles.Uma leitura que faz olhar para dentro que nos desveste as lembranças, e escancaram nossa realidade.Assim como algumas canções que cabem tão dentro da gente, como se nós a tivéssemos feita
    Uma bela leitura amiga e que a paz esteja sempre e sempre em seu lindo coração.
    Uma boa noite de paz e luz.
    Meu abraço com carinho.
    Bjs de paz

    ResponderExcluir

Deixe sua espiritualidade aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...