domingo, 14 de novembro de 2010

A Menina e o Mar



Conta uma lenda que, muito antigamente, no tempo quando nem existia televisão ainda. Quando viajar era de trem e para poucos, e a vida era ganha com muita dificuldade. Era um tempo onde as crianças brincavam de jogar bola de gude nas calçadas de barro, empinar pipa e pique-pega. A vida passava tão lentamente que crescer durava uma eternidade. Telefone e farmácia se escrevia com "ph" e para ligar para uma pessoa, em outra cidade, era preciso pedir à telefonista, que se conhecia pelo nome, para completar a chamada.

Havia uma pequena menina que morava no interior, numa cidadezinha cujo nome, até hoje, nem consta nos mapas. Um lugar no meio do nada, longe de tudo, na verdade, chamar de "cidade" poderia ser considerado um exagero. Estava mais para um pedaço de estrada, com um pequeno conglomerado de casas humildes que eram utilizadas como armazéns, bares e uma pequena pousada para quem passava por ali de viagem. Mas tudo bem. Deixa como está! Vamos chamar de cidade assim mesmo.

Esta menina observava os viajantes chegarem à sua casa e falar sobre os lugares por onde passavam, contavam histórias da cidade grande, mas havia algo que sempre a deixou intrigada. Eles falavam de uma coisa chamada "mar". Para uma menina acostumada com a poeira da estrada de chão e a sequidão do sertão, onde água, quando tinha, só na torneira ou na bica. Tentar conceber a imagem de um lugar cheio de água que cobria todo o horizonte, até onde os olhos podiam alcançar, era um misto de curiosidade, incredulidade e temor.

Aos poucos, dentro daquele pequeno universo, a pequena menina foi crescendo. Um dia brincar de boneca já não era tão interessante e a vida naquele bucólico vilarejo ficava chata demais com o passar dos dias. Seu único desejo era poder sair daquele lugar para conhecer o tal do mar. Ela sempre ouviu falar sobre o barulho que ele fazia quando quebrava suas ondas nas rochas, de como conseguia engolir embarcações gigantescas e até mesmo o sol todos os dias. Ela ouvia histórias dos tesouros que o mar escondia e dos peixes que poderiam ser maiores do que a sua própria casa. A menina ficava curiosa, tentando imaginar como as pessoas conseguiam atravessar de um país para outro através das suas águas. Era uma imagem grande demais para sua pequena mente alcançar, mas mesmo assim ela se apaixonava cad a vez mais por aquele sentimento. Chegava até sonhar com o que poderia ser o mar ou, pelo menos, com o que ela achava que seria o mar.

Seu aniversário de 15 anos se aproximava e ela pediu ao pai para não fazer festa. Queria uma viagem de presente. Naquela época, uma moça fazer 15 anos, era um acontecimento com porte de desfile de feriado nacional com honras militares. Mas ela estava disposta a abrir mão daquele momento tão esperado por sua família, para realizar o grande sonho de sua vida. Conhecer o mar.

O pai não teve outra escolha, a não ser cumprir o desejo da filha. Afinal eles nunca haviam viajado para tão longe juntos, e era justo realizar o único pedido da pequena filha que estava virando moça.

Viagem preparada, passagens compradas no guichê da estação de trem. Teve até bandinha para se despedir da menina no dia do seu aniversário. Era uma longa jornada até chegar no litoral, mas a menina nem prestava atenção nas paisagens que iam aparecendo na janela do trem.

— Pai, você já viu o mar?

Perguntava a menina, tentado tirar o máximo de informações do pai para construir sua própria imagem do mar. E ele tentava descrever como podia, hora rindo, hora impaciente com a quantidade de perguntas sobre o mar.

A viagem levaria uns dois dias, mas ela não se importava, valia o sacrifício para ter o sonho realizado.

Chegando o grande dia, já estavam se aproximando do litoral. A menina eufórica nem quis passar no hotel, foi primeiro para a praia. A primeira lágrima escorreu dos olhos dela. Era lindo o que via, nada do que ela imaginou era tão grande e estonteante como o que ela estava vendo e presenciando naquele momento.

— Pai, eu posso chegar perto dele?

Perguntou a menina, ao pai, sem conseguir segurar as lágrimas misturadas com o sorriso mais radiante que ele já tinha visto nela. Antes que ele respondesse, ela já corria pela areia da praia tirando os sapatos.

Ela só queria chegar perto o suficiente para descobrir se a água era tão salgada e gelada quanto falavam. Ela já começava a sentir a areia molhada na sola dos pés e de repente, a euforia se misturou com um medo que ela nunca havia sentido antes. Todas as histórias que ela já tinha ouvido sobre o mar, até então, começaram a vir à sua mente ao mesmo tempo. A violência do barulho das ondas quebrando na areia a segurou por um momento até que, calmamente, a sobra de água de uma onda avançou pela areia e cobriu seus pés lentamente. Ela levou um susto, quis fugir, mas aqueles poucos segundos se eternizaram e a paralisaram enquanto a água escorria novamente para o mar fazendo cócegas na sola dos pés da menina.

O medo aos poucos se transformou em confiança e a menina tentou chegar mais perto do mar e o mar também se aproximava dela com ondas cada vez mais fortes. Ela teria que escolher entre não provar o mar ou molhar o único vestido que tinha ganho de aniversário. Até que, sem esperar, de repente, uma grande onda a cobriu e a molhou por completo. Pronto, já não havia mais o que escolher, a surpresa da onda a fez se entregar por definitivo àquela nova experiência.

A menina finalmente encontrou o mar e o mar a encontrou também.



Em nossas vidas também é assim: Nos relacionamos com Deus da mesma forma que esta menina se relacionava com o mar. Vivemos na sequidão e expectativa de encontrar um Deus que, às vezes, só conhecemos de ouvir falar. Ouvimos o testemunho de terceiros sobre suas experiências com a regeneração, cura e perdão experimentados em Deus. Nada do que imaginamos pode chegar perto do que Ele realmente é e significa mas, muitas vezes, quando temos a oportunidade de prová-lo e conhecê-lo de fato, temos medo de molhar nossa aparência. Perdemos, então, a oportunidade de vivenciar este poder de Deus em nossas vidas. Para experimentá-Lo precisamos nos envolver profundamente.

Conhecer Deus por inteiro é a maior experiência que alguém pode desejar e alcançar em toda a sua vida. Nada se compara ao seu poder e glória, nenhum oceano consegue ser maior ou mais profundo que o amor e perdão n'Ele encontrados para cada um de nós.

Buscá-lo, pode ser uma longa jornada, mas quando nos encontramos com a plenitude de Sua Glória não conseguimos deixar de tocá-lo ou ser tocados por Ele. Quando encontramos Deus, ao mesmo tempo somos achados por Ele. Algumas vezes somos pegos de surpresa por Deus e depois disto não há mais como voltar atrás.

Um dia, até mesmo o mar se rendeu à Palavra Viva de seu Criador. Quem tem poder para criar e dar ordens ao mar, tem poder para trazer abundância de água a qualquer deserto. Mais que o mar, quem o criou deseja transformar a sequidão do pecado e da morte em abundância de água viva de graça e misericórdia. Permita, hoje, que a onda do amor de Deus inunde sua alma e lhe traga vida.


O Deus que pairava sobre as águas te abençoe rica, poderosa e sobre naturalmente!
(Pablo Massolar)
O mar me fascina!

Não vejo a hora de fazer outro Cruzeiro...
Que Deus me conceda essa grande graça em alto mar!
Por ora, estou na roça... desfrutando dos ares campestres...
Tenham todos muita paz interior!
Excelente Domingo junto à família e próximo ao Senhor da Vida!
Orvalho do Céu

20 comentários:

  1. ESSA MENSAGEM REALMENTE É UM GRANDE PRESENTE!
    DEUS ABENÇOE VC SEMPRE!
    BEIJO
    BOM FERIADO

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Rosélia querida.

    Viver em intimidade com Deus é algo indescritível! Seu post me fez lembrar do que disse Jó, quando Deus lhe restituiu tudo o que havia perdido, por causa de sua fidelidade: "Antes eu te conhecia só de ouvir falar, mas agora te conheço de contigo andar".
    E isso me fez lembrar desta música:

    http://www.youtube.com/watch?v=AN5klsWn3Jg

    Beijo grande e uma semana linda e abençoada pra vc!

    ResponderExcluir
  3. Uma bela reflexão para esse domingo, lindo esse texto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. O Mar fascina qualquer pessoa poetas toda a gente gosta do mar, o mar dar para fazer lindas canções lindos poemas e telenovelas, como a menina do mar.
    beijos
    santa Cruz

    ResponderExcluir
  5. Rosélia, uma linda mensagem e muito emocionante o encontro da menina com o mar.
    A analogia feita por você também é perfeita.
    Um beijinho

    ResponderExcluir
  6. Roselia, que linda e profunda mensagem, realemnte é do mesmo jeito que nos relacionamos com Deus, ouvimos falar mas não o connhecemos, até que um dia somos inundados pela Sua graça e não dá mais para voltar, um verdaeeiro encontro com Deus nos faz viver abundantemente.
    Um grande abraço, tenha um excelente domingo.
    Paz e bem!

    ResponderExcluir
  7. Muito linda sua história, as coisas realmente significativas são assim elas vem ao nosso encontro e nós vamos ao encontro delas.
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Nossa ... esse texto é lindo demais e a mensagem dele é muito, muito especial! Fiquei fazendo a imagem mental enquanto lia.
    Deus tem todo o poder de transformar as nossas vidas basta deixarmos o nosso coração aberto para que Ele aja em nós.

    Sua presença no Yehi Or é muito especial para todos nós. Seja sempre bem vinda!

    Um abraço super carinhoso que Deus seja sempre Luz em sua vida!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Sim, Rosélia

    Conhecer a Deus por inteiro é a maior dádiva que podemos receber e a maior alegria que podemos ter.
    Linda mensagem contida no seu post!

    Deus seja contigo.

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito do texto e do seu comentário.Fiquei até nostágica com algumas passagens que me remeteram à infância ...

    ResponderExcluir
  11. Amiga,

    Tenha um excelente final de semana.

    Deixo aqui meu carinho e um beijo no coração.

    Fica com Deus.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Rosélia!
    Lindo, amiga gostaria de ser essa menina com encontro com Deus.
    Ótima semana amiga!!!!
    bjosss
    Amara

    ResponderExcluir
  13. Rosélia, também amo o mar! Tanto que escolhi minha morada e meu estilo de vida em função do mar. Gostei da crônica sobre a menina e da analogia com o nosso relacionamento com Deus. Temer o desconhecido é natural, mesmo assim, por causa desta mesma natureza, devemos enfrentar nossos medos para poder vivermos integralmente. Viver pela metade não dá!! Bom feriado! Beijus,

    ResponderExcluir
  14. Amém! Que texto belíssimo Orvalho! O mar me fascina e o amor de Deus é maravilhoso =*

    Obrigada pela partilha!

    Tem selinho lá pra você querida!

    bjos no seu coração

    ResponderExcluir
  15. Rosélia querida, tem uma lembrancinha pra vc lá no blog.
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  16. Linda mensagem da Menina e o mar. Já havia lido uma vez, mas dessa vez com a conclusão que você fez ao final além de emocionar elevei minhas preces a Deus nosso Criador e que nos proporcionou toda essa beleza que desfrutamos.

    Beijos no seu coração

    ResponderExcluir
  17. Lindo Rosélia. Adorei!
    A nossa expectativa é enorme quando se trata do desconhecido. Mas Deus se faz presente e suas graças são muito reais.
    Aproveite bem "a roça", porque eu estou aproveitando minha mãe.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  18. Querida amiga, linda história. Tenha uma excelente semana. Beijocas

    ResponderExcluir
  19. Bonita essa mensagem que você recebeu.
    Entregar-se a Deus é encontrar a Paz, a felecidade e a luz iluminando todo o caminho.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  20. Que linda mensagem, adorei o texto. Bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Deixe sua espiritualidade aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...