terça-feira, 20 de outubro de 2009

Maternidade ( II )



MÃE SELVAGEM
(Georgina Ramos)
Eu vi uma juriti, gemendo ao pé da estrada
Gemendo como alguém que sentia imensa dor
E logo dentro de mim sentir toda magoada
De minha alma, que Deus fez, para sentir o amor.

Mimosa juriti, refere, teu segredo
Ó mãe, quem te feriu, quem te faz chorar
Confia em mim, de mim não tenhas medo
Eu vim pra te consolar.

Se queres conhecer a causa do meu pranto
Contempla, aquele ninho ao pé daquela flor
Lá estavam meus filhotes, meus sublimes encantos

do sangue, do meu sangue, amor do meu amor.


Voei pelas florestas em busca dos meus filhos

Cansada, de gritar de dor enlouqueci
Meus olhos de chorar perderam todo o brilho
E hei de morrer chorando, dos filhos que perdi.

Então, eu me afastei da triste mãe penada
Porque senti também meu coração chorar
A triste lá ficou gemendo ao pé da estrada
E eu, regressei à porta do meu lar.

A dor que faz sangrar o coração materno
Não há no mundo uma igual e um ser que desentranha
Como não há, no mundo o mais profundo eterno
De que, sagrado amor, de quem na terra é Mãe.

O que uma mãe gostaria de ganhar?
Uma casa?
Uma flor?
Um cartão?
Um abraço caloroso?
Um telefonema?

Coruja?
Liberal?
Super protetora?
Mãe é mãe!
Há muitos e muitos anos...
Com amor, é assim que elas nos tratam desde o início...
Rhea, mulher de Chonos e mãe de todos os deuses...
Cibele, outra mãe dos deuses...
Maria, Mãe de Deus...

Hoje sugiro a gente refletir juntos sobre as nossas mães...
Este singelo poema me foi dado pela Ir. Maria Eugênia do Mosteiro Beneditino de RO, num momento em que queria consolar meu coração... e conseguiu... tem dor muito maior do que a minha, é fato...
Estou, particularmente, refletindo sobre o fato de como sou mãe...
Perder a mãe a quem somos muito apegados e passar a nos cuidarmos sozinhos...
Os laços familiares se fortalecem através das mães...

Mãe à distância:
Mãe é mãe!
Mãe só tem uma!
Diversos são os ditados que ressaltam a importância e o valor da mãe.
Mas como é a vida longe dessas mulheres que sabem fazer tudo na medida certa: ensinar... aconselhar... socorrer... dar carinho... e, se preciso, até uma bronca...
Quando se trata da experiência de mãe e filho, a experiência nunca parece ser suficiente...
Sem elas temos que assumir responsabilidades que nunca pensamos que existissem...
Aprendemos a lidar com as saudades... amadurecemos muito com a distância delas...
Em casa, temos roupa lavada... comida... carinho...
Muitas vezes, além de estarmos sem mãe por perto, ainda temos que aprender a viver um processo de mudanças físicas e emocionais muito grandes... é bem complicado!

Quantas mães impedem seus filhos de serem felizes! Que pena!
Quantos filhos impedem suas mães de serem felizes! Que pena!
Quando dá à luz, a mãe sofre, chora, resiste...
Logo depois, lá está ela sorrindo, alisando o rebento.
Ser mãe é mesmo padecer no paraíso!


0 comentários:

Postar um comentário

Deixe sua espiritualidade aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...