terça-feira, 22 de setembro de 2009

A Doença Como Linguagem da Alma ( II )


No domingo próximo passado, na TRIBUNA, jornal do ES, confirmei que este tema é bem atual... numa das manchetes, avistei o seguinte:
JUÍZES TÊM CRISES DE PÂNICO E DEPRESSÃO... pessoas precisam de auxílio psicológico...
Além da psicologia, admito sem embaraço, que a religião ajuda a superar os desafios da rotina...
Com calma, a solução vai chegando... O TEMPO DE DEUS NÃO É O NOSSO!
A opinião pública angustia nos tempos recentes...

Há momentos em que o caráter está em jogo e não se pode negociar... como é o costume de muitos... em todos os meios... inclusive o religioso, infelizmente...

"A pior atitude é negar o emocional... acaba sobrepondo à razão.
O emocional também é fonte de informação e auxilia na BUSCA DA VERDADE... quando se está julgando... A razão cega não é boa conselheira... leva à decisões mais ilógicas"... (Dr. Adriano P. Jardin)

Hoje penso com mais discernimento... não me conformo com o SEJA FEITA A SUA VONTADE como um destino superior que eu me resignava a acolher...
A ANGÚSTIA SEMPRE ME AFETOU MUITO ... sentia sempre meu coração esmagado... e que dor senti!
DOR FÍSICA... EMOCIONAL... ESPIRITUAL...
Ainda não aprendi a dizer NÃO... preciso ousar a " rebelar-me" contrarregras rígidas e escapar de estruturas demasiado estreitas... não ignorar minhas limitações e não chegar perto demais dos outros a ponto de não poder ter um intervalo de defesa para mim mesma...
Estou num xeque mate: não posso deixar-me ser determinada pelo exterior... Me permitir expressar agressões... muitas vezes é necessário até... ainda que prefira a não violência sempre!
Não guardar tudo para mim mesma... comunicar-me com as pessoas num intercâmbio vivo mas entender-me comigo mesma também... e me amar sempre...Me proponho a ter paz e harmonia agora mais do que nunca...
Dar-me a chance de ser feliz de verdade e tentar fazer os que me cercam muito felizes também...
Como a educação repressora que tive me reprime e me define! Preciso "cortar as tranças"... "soltar os coques"... "mudar de penteado"... dar espaço na minha vida... aos meus próprios gostos e interesses...
Lembro-me neste momento de que minha mãe penteou meus cabelos até os doze anos...
Nessa penúltima semana quase "arranquei meus cabelos"... não posso perder o poder sobre mim nem à minha dignidade ainda que tentem danificar-me... tem gente que nunca está feliz com nada... por mais que nos esforcemos...
Quando fico uns dias num Mosteiro Beneditino, reintegro-me bastante!

Preciso permitir-me novos impulsos, estou bem mais consciente disto... Tornar-me adulta é exatamente isso... Novas energias... mostrar o meu verdadeiro rosto...
Aprendi a fazer cara boa a um mau jogo... Sorrir aconteça o que acontecer... fui adquirindo máscaras... de alegre... de inteligente... de religiosa... vi isto, nitidamente, numa dinâmica pertinente à manutenção do ENEAGRAMA... em Vitória, sob a orientação do Pe. Beto.
Estou num xeque mate: não posso deixar-me ser atormentada... sorrir sem vir do coração... Muitas vezes, as pessoas que nos cercam não dão espaço para mostrarmos nossos rostos verdadeiros... mas nunca mentir ou ser insincera...~

Fico triste demais quando não posso ser eu mesma: ou seja, a menina feliz que fui um dia, juntinho do meu pai, brincando com ele, por exemplo...

Agora que meu rosto começa a espelhar os traços da vida... não será com cosméticos que resolverei uma expressão espontânea...
Estou nesta grande tarefa espiritual e emocional também... de um novo aprendizado como meu corpo e sintomas a ele concernentes...
Reconheço que têm âmbitos penosos... situações que eu evito sempre por não ter saídas... ainda!!!
Na semana retrasada mesmo, tive grande desejo de gritar alto a quatro ventos, como se diz... a menina bem comportada quis rebelar-se... mas meu corpo gritou a valer... se não fosse o espiritual, estaria distribuindo golpes a meu redor... ou ACABARIA ESTRANGULADA COMO ME ACONTECIA ANTES...
Precisei da força de Deus e dos meus amigos para não sair gritando de verdade... a pressão era insuportável... em vez de ataques de fúria eu tive ataques interiores de dor... que foram visíveis...
Minha sensibilidade estava perturbada...
Não me senti bem dentro da minha pele...
Sei que negligenciei um lado da minha vida... me resignei... me curvei... me controlei demais para manter a harmonia sem entrar num colapso... A vida me ofendeu... eu ofendi a vida...
Careci de SERENIDADE!
CONFLITOS... nervos... fúrias... medo... depressão... marcas na alma... bombas relógio ficaram no campo do meu ser... Ia da ira ao entusiasmo e vice versa...
Até hoje passo de uma situação de feliz a de amedrontada... é uma luta interior incrível!
Me vi sempre diante de tantos abismos... Que batalha!
Como não podia expressar verbalmente muitas coisas... tive herpes labial no passado pois sentia aversão e repugnância tão grande a tantas coisas que a vida parecia um ferro incandescente do qual eu não ousava aproximar-me...
Hoje, procuro ir direto ao POÇO, sem me deter a detalhes... a atalhos... a caminhos mais curtos...
DEUS, COM SEU SILÊNCIO, ME LEVA AO SILÊNCIO FECUNDO.

Muito obrigada, Senhor!

Um comentário:

  1. Um maravilhoso Blog de ensinamentos e reflexões... A verdade é o único caminho seguro que desperta Deus que está em Tudo e em Todos!
    Um grande abraço, Paz e Luz!

    ResponderExcluir

Deixe sua espiritualidade aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...