domingo, 23 de agosto de 2009

Amigos ( III )



Publicado em 10 de dezembro de 2008 no http://espiritual-idade.spaces.live.com/


"GRANDES AMIZADES NÃO SE PERDEM EM PEQUENAS DISPUTAS.
SE SE PERDERAM É PORQUE NÃO ERAM NEM AMIZADES,
MUITO MENOS GRANDES."
É com este espírito bem cheio de expectativa "pelo que há de vir"(Advento), é que inicio a postagem de hoje, dizendo de antemão que no meu coração reina a alegria e a paz nesta tarde quase noite.
Cheguei há pouco de um Evento muito incentivador, uma tarde de comemoração aos sessenta anos do Estatuto dos Direitos Universais.
E, dentre tantas coisas ouvidas, algumas retive na memória e no sentimento de comunhão com o que, verdadeiramente, sinto.
Vou partilhar o que me recordo, com a intenção de ser útil, pois o tema é rico e muito abrangente.
Me contemplou muitíssimo a "fala" do representante da Segurança Pública do Município, o Comandante do Batalhão local, que deu um verdadeiro testemunho de ser gente e amigo da população sempre que pode e é solicitado. Nos deixou uma mensagem muito prática: se precisamos de ajuda, temos que pedir...
A questão de não ser invasivo é profunda demais, não só em âmbito social, mas acredito mesmo que em todos os níveis e segmentos da sociedade (e também nas relações fraternas, por suposto), isto ele reafirmou com propriedade de quem "arregaça as mangas" em prol da pessoa humana.
Relacionando tudo o que ouvi, ao Tema que estou abordando nesta semana, vejo que não há nenhuma diferença...
Na amizade, também devemos pôr-nos em ação e nesse serviço há que reluzir o amor ágape.
Ele derramou algumas lágrimas, enquanto falava, demonstrando muito sentimento no que faz, com seus vinte e cinco anos de carreira militar...
Como se alcançar melhora em prol do mais necessitado, seja em que área for, se não abrimos espaço para outro se revelar?
Muito se pode dizer desta Declaração dos Direitos Humanos, falou um sacerdote (pela Pastoral Carcerária), o representante do Prefeito, o presidente da mesa foi o próprio Delegado Nacional, a que se fez presente pela Ministra do Estado, foi de uma simplicidade "exuberante"... o cerimonial de uma tênue beleza, e o teor deste Evento foi exatamente não só para nos congratularmos mas sobretudo, para denunciar o que precisa ser respeitado, isto foi o mais significativo para mim.
Achei interessante os diversos "disques" que se priorizam neste círculo... e me fazia presente neste cenário, refletindo os quantos "disques" sabemos de cor (disque pizza, por exemplo) enquanto que os mais "altruístas" não os sabemos memorizados (ao menos)... para podê-los imprimir, à medida do possível, em nosso cotidiano com os mais próximos... Que pena!
Foi uma tarde em que, saindo de lá, nossa mente e o nosso coração ficam questionados demais...
Vale a pena, creio eu, ressaltar o que já dizia Inácio de Loyola, há meio século, O que fiz? O que faço? O que farei por Cristo? Porém, o irmão necessitado é o próprio Cristo, como nos ensina o Mestre em Mateus: "ao menor dos irmãos, a Mim o fazeis..."
Fui uma das convidadas, representando o Coral da Associação dos Aposentados e Pensionistas (APPA)... e o canto não serviu para "suavizar" ou para um efeito balsâmico apenas... A maestrina Jane, foi colocando ênfase no objetivo proposto a medida em que as "meninas" cantávamos, em uníssono, com a força que vem do coração.
Muito pelo contrário de ser apenas um festejo formal... foi de caráter ainda mais reflexivo, por isso mesmo fomos aplaudidas de pé (posição de alerta ao que se supõe do que se diz... ou se canta).
Vou transcrever uma das letras dos quatro cantos que entoamos na Câmara dos Vereadores de nossa cidade, cujo hino já nos diz que devemos estar animando aos cansados... aos oprimidos... aos marginalizados... estreita relação com a, muitas vezes, Utopia dos Direitos Humanos...

Muitas vezes, somos especialistas em criar leis...que nem sempre são observadas... mas, hoje coloco um pensamento preferido, a mim enviado, de um amigo, que muito me chamou atenção e o guardei com carinho, dá para meditar profundamente...
"UM ESPECIALISTA É AQUELE QUE, EM CAMPO RESTRITO DO SABER HUMANO, JÁ COMETEU TODOS OS ERROS."
(Niels Bohn, ganhador do Prêmio Nobel)
Falava-me o amigo da persistência e da humildade.

Seria bom observarmos estas questões antes de qualquer tentativa de Reforma, a começar por dentro de nós mesmos, poderíamos. Que tal?

Isto também nos foi sugerido nesse feliz e abençoado encontro.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe sua espiritualidade aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...